7 em 500: Viajar sozinha pela América do Sul

viajar sozinha
A sensação de liberdade é um dos melhores efeitos de viajar sozinha (Foto: senivpetro/Freepik)

“Mas tu viaja sozinha?” “E não tem medo?” “O que teus pais dizem?” “E por que não convidou alguém pra vir contigo?” São algumas das perguntas clássicas (às vezes, recheadas de preconceito e, outras, de admiração) que toda mulher que escolhe viajar sozinha precisa responder no momento em que decide visitar outro lugar sem companhia. Obrigada, machismo nosso de cada dia, por complicar nossa vida nisso também.

viajar sozinha - cabo polonio - uruguai
Pequenas conquistas – como chegar a Cabo Polonio a pé – são muito comemoradas

Complicada ou não, para mim, viajar sozinha é a melhor experiência que uma mulher pode vivenciar. Tomar decisões sem precisar agradar ninguém, além de nós mesmas e achar soluções para os problemas que se apresentam na estrada são somente dois dos fatores que fazem dessa uma das vivências mais enriquecedoras que poderíamos ter, da qual saímos muito mais confiantes.

viajar sozinha - salar de uyuni - bolivia
A confiança aumenta significativamente durante uma viagem solo

Por isso, o tema do segundo post da série 7em500, baseada nas experiências que tive durante a trip de mais de 500 dias por sete países sulamericanos, vai responder a pergunta de uma seguidora do Instagram: “Acha que é mais difícil viajar por ser mulher?“. E março, o mês da mulher, me parece o momento adequado para falar do assunto.

viajar sozinha - geisers do tatio - chile
Estar sozinha não impede a mulher de fazer absolutamente nada
VIAJAR SOZINHA: AS PRECAUÇÕES

Viajar sozinha por Uruguai, Argentina, Chile, Bolívia, Peru, Equador e Colômbia não tem mistério. É preciso tomar as mesmas precauções que tomamos praticamente desde que nascemos:

  1. estar sempre atenta aos arredores;
  2. demonstrar segurança;
  3. informar-se sobre locais e horários problemáticos para estar só;
  4. evitar ostentar objetos de valor;
  5. não confiar em estranhos de cara.
ignorando as precauções – o assalto

Dicas que, aliás, servem para homens também. Para ilustrar bem como esses cinco pontos são importantes, vou contar a história da tarde em que ignorei quatro deles e fui assaltada – a única situação do tipo durante toda a viagem.

viajar sozinha - tena - equador
Uma distração no Parque Amazônico me deixou sem dinheiro e sem celular

Estava eu, bem bela e boba por estar na Floresta Amazônica, explorando um parque no centro de Tena, no Equador. Depois de me despedir de um espanhol que conheci na entrada do espaço verde, passei a caminhar sozinha pela área com ares de abandono, sem antes ter questionado o quão segura era a região.

O caminho de concreto semi-destruído requiria muita atenção

Eu estava com minha câmera pendurada no pescoço, olhava para baixo e caminhava devagar. Um passo em falso naquele caminho de concreto aparentemente inacabado era tombo certo. Aproveitando-se da minha solidão e distração (ou extrema concentração nas minhas pisadas), dois rapazes com camisetas no rosto me abordaram, levando meu celular e algo de dinheiro. Curiosamente (ou bondosamente) me deixaram com o cartão de memória e o chip do celular, a câmera, a lente e outros itens de menor valor na minha mochila.

viajar sozinha - puerto misahualli - equador
Sam, dos Estados Unidos, foi o amigo que fiz minutos depois do assalto

O bom dessa história toda é que, de volta ao hostel onde eu estava hospedada, conheci um menino dos Estados Unidos muito bacana. Ele era meu colega de quarto e perguntou se estava tudo bem. Lhe disse que sim, tirando o fato de eu recém ter sido assaltada.

LEIA SOBRE TENA E PUERTO MISAHUALLÍ

Ele tentou me animar, conversamos bastante e saímos juntos para que eu comprasse um novo celular. Assim começou uma bela amizade que nos levou a fazer um passeio por Puerto Misahuallí no dia seguinte. Até hoje seguimos em contato pela internet.

CONHECENDO DESCONHECIDOS
viajar sozinha - caral - peru
Depois de avaliar se eram confiáveis, fiz um passeio de moto com uma turma de Lima

A questão de não confiar em estranhos de cara vai muito da intuição. O sexto sentido é fundamental para quem busca conectar-se com outros seres humanos – talvez, uma das maiores motivações para viajar sozinha. Um dos meus grandes objetivos da viagem pela América do Sul era reestabelecer um pouco minha fé na humanidade.

viajar sozinha - cafayate - argentina
Florie e Sylvain, da França, me deram carona em Cafayate

Como eu mesma descrevi no projeto da viagem, queria “ficar na casa de estranhos que se tornarão amigos, subir em veículos de desconhecidos que se transformarão em companheiros, fazer passeios com viajantes que virarão parceiros, ter conversas com locais que serão camaradas”. Contudo, é preciso ter cuidado e avaliar bem (mas rapidamente) a situação. Em outros artigos vou falar com mais profundidade sobre carona, Couchsurfing e outras maneiras de hospedar-se em lares de locais.

Graças ao host do Couchsurfing, comemorei meu aniversário em meio a chilenos e equatorianos
A VIDA SOCIAL

A solidão é um dos medos para a maioria das pessoas. Não para mim, que simplesmente amo ficar sozinha. Mas eu só estive desacompanhada quando quis nesse quase um ano e meio. Um simples “oi, tudo bem?” abre portas e cria amizades (mesmo que temporárias) em hostels, passeios e bares.

Conheci Matthew, dos EUA, e Roman, da Suíça, durante um tour e nos cruzamos em algumas cidades da Bolívia

Falando em bar, é sempre importante lembrar daquele velho conselho: não aceite bebidas de gente que você não confia. Também é bom cuidar a quantidade de álcool ingerido quando estamos sozinhas ou na companhia de novos amigos. Mas também não precisa virar santa, né?

VIAJAR SOZINHA: DICAS DE SEGURANÇA
  • Celular (GPS e internet): O melhor amigo do homem – e da mulher – do século 21 é o celular. Pelo menos, é o meu. Comprando um chip local em cada país para dispor de conexão 3G (poderia custar de R$ 0 a R$ 20), mais alguns reais para o crédito, podia contar com internet e GPS.
VEJA TODOS OS POSTS SOBRE A VIAGEM PELA AMÉRICA DO SUL

Meu aplicativos de comunicação eram basicamente o Whatsapp e o Messenger. Para localizar-me, usava o Maps.me (que tem mapas para baixar e usar offline) e o Google Maps (que eu usava quando tinha rede). Ainda tinha outro app cuja funcionalidade me parece importante. Com o Life360, minha mãe (ou qualquer um que eu permitisse) tinha acesso, em tempo real, à minha localização. Uma pequena invasão de privacidade que me tranquilizava no caso de perda do aparelho ou algo pior que prefiro nem pensar.

  • Objetos de proteção: Tem gente que se sente mais segura portando facas ou sprays, mas esse não é meu caso. Cheguei a andar com um canivete, mas me dei conta que jamais o usaria para me defender. Uma ideia que me pareceu melhor é ter um spray – um desodorante pequeno serve – ao alcance da mão. Um jato no rosto de um possível agressor pode desarmá-lo (eu, particularmente, nunca usei essa tática, pois não sei se minha reação seria rápida o suficiente e tenho medo de um contra-contra-ataque).
VEJA TODOS OS POSTS SOBRE A SÉRIE 7 EM 500

Enfim, eu não tinha nada disso. Me contentava com minhas precauções e com a sensação de segurança que tinha com o acesso a internet, GPS e ao saber que outra pessoa tinha conhecimento de eu paradeiro. E, claro, as good vibes sempre tentavam atrair as melhores pessoas para perto de mim.

CURTA A PÁGINA DO ME LEVA EMBORA ESTRADA AFORA NO FACEBOOK
SIGA O ME LEVA EMBORA ESTRADA AFORA NO INSTAGRAM
ACOMPANHE O ME LEVA EMBORA ESTRADA AFORA NO TWITTER

MAPA:

GOSTOU DO POST? NÃO GOSTOU DO POST? TEM ALGUMA SUGESTÃO? FICOU COM ALGUMA DÚVIDA? QUER FAZER UM ELOGIO? UMA CRÍTICA? ESCREVE AQUI NOS COMENTÁRIOS!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.