Santa Cruz de la Sierra + Samaipata

samaipata
O forte é a principal atração de Samaipata

Santa Cruz de la Sierra é a cidade preferida dos brasileiros que vão à Bolívia estudar medicina. É também a mais povoada do país, com 1,7 milhões de habitantes. O departamento de Santa Cruz também é o maior em termos de população. Contudo, não oferece grandes atrativos turísticos, além de Samaipata, povoado a três horas da capital departamental. Conhecida como “La ciudad de los anillos“, Santa Cruz de la Sierra é organizada por anéis. Os famosos anillos são avenidas circulares que dividem o município, o primeiro sendo o mais central e o décimo segundo, o mais periférico.

A catedral é um dos pontos de referência em Santa Cruz

A bem arborizada Plaza 24 de septiembre é a principal da cidade. No largo está a Catedral Metropolitana Basílica Menor de San Lorenzo. É possível visitar a igreja gratuitamente e subir ao campanário do templo mediante o pagamento de 5 bolivianos (uns R$ 2,50). Lá do alto se tem uma vista aérea da praça e de parte do centro, além de poder observar os sinos mais de perto.

Santa Cruz conta com outros parques e praças agradáveis. O Parque Urbano Central é o maior deles. À noite, se realiza um espetáculo de águas dançantes. O Parque El Arenal é convidativo por seu pequeno lago. No Paseo Artesanal La Recova há um pequeno jardim, ideal para um descanso sob as árvores para espantar o calor cruzenho. Para comprar comida, boa opção é o Mercado Abasto, onde se encontra grande quantidade de frutas e verduras.

SAMAIPATA

Samaipata é um vilarejo com grande concentração de estrangeiros. A maioria deles foi de visita e acabou ficando, e daí vem o apelido “Samaitrapa“. Samaipata significa “descanso nas alturas” em quechua. É um lugar ideal para quem gosta de história e natureza. Assim como em outras partes da Bolívia, não há um ônibus que vá para lá. A viagem é feita em vans (chamadas trufis) que não têm um horário fixo, só saem quando o veículo está cheio. Há uma empresa próximo ao primeiro anel e outra perto do segundo, ambas na altura da Avenida Grigotá.

EL FUERTE

View this post on Instagram

El Fuerte. (Samaipata, #Bolivia 🇧🇴)

A post shared by Me Leva Embora Estrada Afora (@melevaemboraestradaafora) on

Seu principal ponto turístico o forte pré-incaico a 10 quilômetros do povoado. A entrada custa 50 bolivianos (cerca de R$ 25) e pode ser adquirida antecipadamente no interessante museu arqueológico, no centro, ou no próprio forte. O ingresso permite a visita em ambas as atrações. O transporte até El Fuerte custa ao redor de 100 bolivianos (uns R$ 50) para até quatro pessoas. Em mototáxi, para uma pessoa, o valor fica em 40 bolivianos (R$ 20). Sempre é bom negociar o preço da corrida antes de iniciá-la. O recorrido pelo forte tem mais ou menos dois quilômetros e dura umas duas horas.

Declarado Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco, o sítio arqueológico tem dois setores: o cerimonial e o administrativo. O primeiro é um monumento talhado em uma rocha de 220 metros de comprimento por 65 metros de largura. Os formatos da arte rupestre eternizadas ali são de animais e formas geométricas. O segundo contemplava áreas agrícolas, de vigilância, comerciais e outras.

PARQUE NACIONAL AMBORÓ

Para quem gosta de trekkings na natureza, os tours pelo Parque Nacional Amboró são ideais. Fiz o dos helechos gigantes por 145 bolivianos (uns R$ 75). Éramos um grupo grande. Se são menos pessoas, o preço costuma ser mais alto. Essas samambaias podem alcançar uma altura de até 10 metros e é impressionante a quantidade de plantas que se encontra nesta mata. Depois de chegar ao parque, a 12 quilômetros da cidade, andamos em meio à yunga das 10h às 15h, aproximadamente. Durante o passeio, o guia fala sobre a fauna e flora da região.

Este slideshow necessita de JavaScript.

MAIS

Samaipata ainda tem outros lugares interessantes para visitar, dependendo do tempo e do dinheiro disponível. Há as cascatas Cuevas e La Pajcha e a lagoa Volcanes. Mas o que tive mais vontade de conhecer e não fui em função da distância (seria distanciar-me outras três horas de Santa Cruz) foram os povoados de La Higuera, onde Che Guevara foi assassinado, e Valle Grande, onde esteve enterrado por cerca de 30 anos.

Curta a página do Me Leva Embora Estrada Afora no Facebook
Siga o Me Leva Embora Estrada Afora no Instagram
Acompanhe o Me Leva Embora Estrada Afora no Twitter

MAPA:

GOSTOU DO POST? NÃO GOSTOU DO POST? TEM ALGUMA SUGESTÃO? FICOU COM ALGUMA DÚVIDA? QUER FAZER UM ELOGIO? UMA CRÍTICA? ESCREVE AQUI NOS COMENTÁRIOS!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.