Como foi sair da Argentina de moto durante a quarentena pelo coronavírus

volta pelo coronavirus
O Dique San Roque é uma das atrações próximas a Villa Carlos Paz

Eu estava no meio da viagem dos meus sonhos quando as notícias sobre o rápido avanço do novo coronavírus chegou à minha atenção. Comecei a trip do Atlântico ao Pacífico em 9 de fevereiro de 2020, exatamente um ano depois de tirar minha primeira moto da concessionária, uma linda XRE 190.

Desde antes de sair de casa sabia o que estava acontecendo, especialmente na Ásia e na Europa. Mas nunca imaginei que a pandemia chegaria na América do Sul. Lembro de, com menos de uma semana de viagem, brincar com a caixa de uma ferragem de São Gabriel para não aceitar o dinheiro do meu amigo, que estaria contaminado pelo coronavírus.

O SINAL DE ALERTA: SHOW CANCELADO PELO CORONAVÍRUS

As informações que chegavam e inicialmente pareciam fake news foram, a cada dia, tornando-se mais sérias. Contudo, a ficha só caiu quando fui avisada que o show do Fito Páez que eu iria no dia 13 de março fora cancelado. Um dia antes de sua realização.

volta pelo coronavirus
A felicidade da compra do ingresso terminou com a frustração do cancelamento

Fiquei frustrada, pois ficara na cidade uma semana mais só pelo espetáculo e o ingresso comprometera um pouco meu orçamento. Somente depois de superar a tristeza que percebi que a coisa estava muito séria. Mas como tudo ainda estava incerto, decidi prosseguir a viagem.

Saí de Rosario com a chuva que molhava meu capacete enquanto as lágrimas molhavam meu rosto. Uma angústia invadia o peito. Angústia que pela primeira vez sentia nessa viagem. Aquela situação indefinida me deixava insegura.

LEIA AQUI O POST SOBRE ROSARIO

Ainda debaixo de garoa cheguei em Bell Ville, já na província de Córdoba. Na chegada, no fim da tarde, compartilhei mate com a família que me recebeu. Depois li que já havia casos na região e neguei a bebida durante o café da manhã do dia seguinte.

VEJA TODOS POSTS SOBRE A PROVÍNCIA DE CÓRDOBA

Peguei a estrada sem saber se seria parada pela polícia alguma vez. Passei pelo centro de Córdoba Capital, cujo movimento pareceu similar ao que encontrei em 2017. Conheci alguns lugares turísticos como o Dique San Roque e o Camino de las Cien Curvas.

volta pelo coronavirus
O Camino de las Cien Curvas tem belas paisagens

Mas já me sentia culpada por fazer turismo naquele momento delicado e tentei ficar o mais afastada possível de outros turistas. Eu me conformei que a viagem que eu sonhava há cerca de três anos estava prestes a acabar, mas ainda achava que poderia conhecer um pouco mais da província de Córdoba antes de retornar.

FRONTEIRAS FECHADAS E QUARENTENA: O CORONAVÍRUS ACABA COM A VIAGEM
reloj cucu
Só visitei o Reloj Cucú, maior ponto turístico de Villa Carlos Paz

Contudo, já na chegada no maravilhoso hostel de Villa Carlos Paz, o dono já me deu uma péssima notícia (para mim, pois para a prevenção, foi ótimo): o Chile havia fechado suas fronteiras. Ponderei sobre a possibilidade de ela abrir nos dias que se seguiriam, mas considerei mais prudente cancelar a ida. Até por que eu correria o risco de entrar e não poder sair depois.

VEJA AQUI TODOS OS POSTS SOBRE O CHILE

No dia seguinte, sentada em frente à televisão da sala de estar enquanto trabalhava no blog, mais más notícias (para mim): a partir do dia seguinte, quando começaria um feriadão, viagens interprovinciais estavam proibidas em ônibus e aviões. Sem informações sobre veículos particulares.

volta pelo coronavirus
O movimento em Villa Carlos Paz diminuiu no começo da pandemia

Cogitei explorar outras localidades da região, mas por causa dos boatos de uma possível quarentena obrigatória e impossibilidade de circulação, preferi planejar a volta. Eu estava a mais de 1.500 quilômetros de casa.

volta pelo coronavirus
Explorei pouco de Villa Carlos Paz
O PRIMEIRO DIA DA VOLTA: VILLA CARLOS PAZ – ROSARIO

Ao invés de fazer um passeio tranquilo pelos agradáveis balneários dos translúcidos rios cordobeses, arrumei a moto e peguei a estrada. Foram 450 tensos quilômetros até Rosario. Eu tinha medo que a polícia impedisse minha circulação, especialmente na divisa entre as províncias de Cordoba e Santa Fe, mas ninguém me parou.

VEJA TODOS OS POSTS SOBRE A PROVÍNCIA DE SANTA FE

Cheguei à casa do amigo José, de onde eu tinha saído há apenas três dias, em circunstâncias completamente diferentes. Ali eu me sentia segura para ficar, caso fosse necessário – mas essa seria a última opção.

LEIA SOBRE A VIAGEM COM JOSÉ AO LITORAL GAÚCHO

Liguei para o consulado brasileiro em Rosario, que me informou só atender via e-mail. O de Buenos Aires, com o qual só consegui contato pelo número de emergência em espanhol, não soube me informar sobre a situação da fronteira.

volta pelo coronavirus
Saudades de quando era possível sair para comer sorvete em Rosario
O SEGUNDO DIA DA VOLTA: ROSARIO – CONCORDIA

Decidi arriscar e enfreitei os 360 quilômetros até Concordia. Eu sabia que poderia ficar na casa da amiga Silvana até o fim das restrições durante a pandemia do coronavírus, caso fosse preciso. Novamente, o medo de me pararem não se justificou, nem mesmo na divisa das províncias de Santa Fe e Entre Rios, mesmo passando por mais de cinco controles policiais.

volta pelo coronavirus
A amiga Sil me recebeu duas vezes em sua casa

Foi na televisão de Sil que assistimos ao excelente pronunciamento do presidente argentino, Alberto Fernández, de declarou quarentena oficial na Argentina a partir da meia-noite daquele dia para tentar impedir o avanço do coronavírus. O decreto dizia que as pessoas deveriam ficar em seus domicíclios, a não ser para saídas indispensáveis.

Como eu não tinha domicílio na cidade, confiei nessa brecha para sair no dia seguinte. Pela manhã, liguei para a Gendarmería, uma das forças militares daquela nação. A informação foi de que, como eu era brasileira e estava a caminho da fronteira, não teria problemas para circular pelas rodovias. As unidades de Concordia, Corrientes e Paso de Los Libres foram uníssonas, o que me tranquilizou.

TERCEIRO DIA DA VOLTA: CONCORDIA – ALEGRETE

Mesmo assim saí de Concordia e comecei a viagem de 410 quilômetros até Alegrete com a preocupação de que a polícia não me deixasse seguir viagem. Vi barreiras nas entradas de alguns povoados, mas como eu permanecia na rodovia, isso não interferia no meu percurso.

foto de concordia
Na primeira vez que estive em Concordia, as pessoas curtiam a praça central

Na divisa das províncias de Entre-Ríos e Corrientes, um policial de máscara pediu para que eu encostasse. Com educação e tranquilidade, questionou para onde eu estava indo. Respondi-lhe que Paso de los Libres, para a fronteira com Uruguaiana. Um pouco mais impaciente, indagou se eu iria para a cidade argentina ou para a brasileira. Contestei que queria voltar para o meu país.

LEIA AQUI SOBRE A POROVÍNCIA DE ENTRE-RÍOS

Ele então perguntou se podiam medir minha temperatura, ao que assenti. O agente sinalizou para que uma mulher, imagino profissional da saúde, se aproximasse. Trocamos meia dúzia de palavras e ela apontou termômetro infravermelho para minha testa, me informou que eu estava com 36.3 °C e avisou ao policial, que me liberou.

LEIA AQUI SOBRE A PROVÍNCIA DE CORRIENTES

Essa divisa era o que mais me preocupava, pois havia relatos de motociclistas que não puderam viajar em Corrientes. Segui mais calma até Paso de los Libres. Na entrada da cidade, outra barreira. O policial apenas me perguntou para onde eu estava indo e lhe disse que para a fronteira. Ele me instruiu a seguir direto, sem fazer paradas nem em postos de gasolina. Disse-lhe que não o faria.

VEJA TODOS OS POSTS SOBRE A ARGENTINA

Contudo, eu ainda tinha pesos e queria gastá-los. O dinheiro da Argentina é muito volátil e não compensa guardá-lo. Além disso, a gasolina no país vizinho é melhor e mais barata. Decidi contrariar a orientação e abastecer. As bombas funcionavam normalmente, mas os sanitários estavam lacrados e só uma pessoa podia entrar na loja de conveniência por vez e era obrigada a consumir os produtos na rua. Sem problemas.

VEJA TODOS OS POSTS SOBRE O BRASIL

Deixei a moto no estacionamento da imigração, onde havia poucos veículos – duas Tigers entre eles. Na fila, somente os dois motociclistas e eu aguardávamos o atendimento dos motoristas de ônibus que estavam na nossa frente. Eles transportavam argentinos que voltavam do Brasil por causa da pandemia de coronavírus.

Quando chegou minha vez, a funcionária colocou luvas para receber meus documentos e logo carimbou meu passaporte. No guichê em que se mostra a validação, o homem não usava EPIs contra a transmissão de coronavírus. Cruzei a ponte e, aliviada, cheguei ao Brasil.

volta pelo coronavirus
Claudio e Raquel me receberam em Alegrete

Como sabia que, infelizmente, o governo do meu país estava muito mais relaxado quanto aos cuidados com o coronavírus, rodei sem a tensão de ser parada pela polícia. Cheguei a Alegrete e fui recepcionada pela acolhedora família do Claudio e da Raquel, que ainda me levaram para um passeio em lugares sem aglomerações.

volta pelo coronavirus
Até rolou um turismo express em Alegrete
QUARTO DIA DE VOLTA: ALEGRETE – PORTO ALEGRE

O último dia de viagem foi o mais tranquilo – e, talvez, o mais triste. Para fazer de conta de que estava fazendo aquele caminho porque eu queria, e não porque tive que cancelar a viagem dos meus sonhos, optei por evitar a BR-290, por onde eu havia passado na maior parte do trajeto de ida, e optei por percorrer a BR-287.

volta pelo coronavirus
Em Manoel Viana, meus anfitriões e guias turísticos me levaram ao rio

Meus anfitriões me acompanharam uns 60 quilômetros pela BR-377 até Manoel Viana, onde fizemos uma rápida parada para fotos e despedidas. De lá, segui sozinha uns 50 quilômetros pela ERS-241, 305 quilômetros pela BR-287 e os próximos 75 quilômetros pelas conhecidas BRs 386 e 116. Passei por uma obra da Copa de 2014 finalmente terminada na entrada de Porto Alegre e cheguei em casa depois de 42 dias de viagem.

volta pelo coronavirus
O último dia de viagem ainda proporcionou belezas na estrada

CURTA A PÁGINA DO ME LEVA EMBORA ESTRADA AFORA NO FACEBOOK
SIGA O ME LEVA EMBORA ESTRADA AFORA NO INSTAGRAM
ACOMPANHE O ME LEVA EMBORA ESTRADA AFORA NO TWITTER

MAPA:

GOSTOU DO POST? NÃO GOSTOU DO POST? TEM ALGUMA SUGESTÃO? FICOU COM ALGUMA DÚVIDA? QUER FAZER UM ELOGIO? UMA CRÍTICA? ESCREVE AQUI NOS COMENTÁRIOS!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.