Cafayate

cafayate
Los Colorados é a primeira das grandes rochas encontradas na Rota 68 entre Cafayate e Salta

Cafayate era um dos lugares que eu mais queria conhecer na Argentina. Essa é uma pequena cidade na província de Salta, no norte do país. Seu principal atrativo é a Quebrada de las Conchas. Ela é famosa pela série de formações rochosas que se estende por cerca de 30 quilômetros. As primeiras atrações ficam distantes uns 20 quilômetros do centro pela Rota 68. Como o acesso até a estrada era fácil, somente uma meia hora de caminhada, decidi tentar pegar carona.

cafayate
O vão de Las Ventanas, na Quebrada de las Conchas, se formou em função da chuva e do vento

Eu imaginava que alguém ia me pegar, levar até o último local que eu queria visitar e teria que caminhar entre os pontos que me interessavam. Mas tive muito mais sorte do que isso. Aproximadamente 20 minutos depois de começar a levantar o dedão, um carro parou. Era um casal de franceses muito simpáticos que, depois, descobri que haviam estado no mesmo hostel que eu, o Rusti-k. Eles haviam alugado o veículo em Salta capital, estavam voltando para a cidade e iriam fazer paradas em todos os lugares que tivessem vontade.

OS MÉDANOS
cafayate
Os médanos são dunas no meio das montanhas, como se pode percecer nesta foto panorâmica

A primeira vez que descemos do carro foi nos médanos. São dunas de areia que aparecem de repente, como se estivéssemos perto da praia. Isso tem uma explicação: milênios e milênios atrás, toda essa região costumava ser oceano. Foram encontrados depósitos salinos e diversos fósseis de animais marinhos (por isso, o rio foi batizado de “Río de las Conchas”). Esses fósseis são alguns dos elementos geológicos que formam a área. As dunas estão cerca de oito quilômetros distantes do centro de Cafayate. É preciso ficar atento à discreta placa que indica a entrada e, poucos metros a seguir, abrir uma porteira.

O turista sobe nas dunas esperando encontrar algum vestígio de água ao redor, mas não vê nada
A QUEBRADA DE CAFAYATE

Onze quilômetros depois dos médanos está Los Colorados (os vermelhos), a primeira das muitas impressionantes formações rochosas. São altos morros cuja cor e textura chamam a atenção. Em seguida, vem Las Ventanas (as janelas). Depois, está La Yesera, altos paredões coloridos. Para chegar até eles, é preciso caminhar por cerca de 15 minutos. O mirador Tres Cruces é o próximo destino. Dele, se vê todo o vale.

cafayate
La Yesera é uma das paradas mais impressionantes do caminho

Então é a vez das duas principais atrações da RN-68, distantes menos de um quilômetro entre elas: o Anfiteatro e a Garganta del Diablo. Eles são paredões gigantescos com vãos no meio. No Anfiteatro, não é raro ver gente cantando ou tocando instrumentos para aproveitar a magnífica acústica do local. Na Garganta, os visitantes se aventuram escalando algumas partes da rocha para explorá-la melhor.

Quebrada de Las Conchas, o lugar mais deslumbrante que já conheci 🇦🇷 (Cafayate, Argentina)

A post shared by Me Leva Embora Estrada Afora (@melevaemboraestradaafora) on

A coloração predominante vermelho-alaranjada das formações se deve ao óxido de ferro que se encontra na região. A paisagem me lembrou bastante os cânions de Arizona, nos Estados Unidos, e a Capadócia, na Turquia. Para voltar, levante o dedo na beira da estrada quase em frete à entrada da Garganta. Em menos de 10 minutos, um senhor que voltava do Peru me levantou e me deixou no centro de Cafayate.

AS BODEGAS E AS CASCATAS

No dia seguinte, passeei pelo centro, que não vai muito mais além do tradicional passeio pela praça central, onde se encontram a igreja e várias lojas, principalmente de artesanato. Um pouco mais afastadas estão outros estabelecimentos que dão fama a Cafayate: as vinícolas. Conheci a Bodega Vasija Secreta,  que não cobra pela visita guiada, que dura uns 10 minutos, com degustação ao final.

Barris de carvalho são expostos no museu da Bodega Vasija Secreta

Mais cedo, havia estado no Parque de las Siete Cascadas (Parque das Sete Cascatas). A entrada é grátis, mas, se o viajante quiser o acompanhamento de um guia, ele cobra 40 pesos por pessoa a cada cachoeira (uns R$ 8). Isso porque a trilha é bem complicada e cansativa e muita gente prefere retornar antes de chegar ao final. Eu fui uma dessas pessoas. Fui sem guia e antes mesmo de chegar à primeira queda d’água, parei. Mas o trajeto, com certeza, valeu à pena. Caminhar no meio de dois grandes morros, com muitos cactus ao redor e cruzando o Río Colorado de vez em quando foi uma grande experiência.

O caminho pelo Río Colorado é lindo, independentemente de se você chega até as cascatas ou não

Curta a página do Me Leva Embora Estrada Afora no Facebook
Siga o Me Leva Embora Estrada Afora no Instagram
Acompanhe o Me Leva Embora Estrada Afora no Twitter

MAPA:

GOSTOU DO POST? NÃO GOSTOU DO POST? TEM ALGUMA SUGESTÃO? FICOU COM ALGUMA DÚVIDA? QUER FAZER UM ELOGIO? UMA CRÍTICA? ESCREVE AQUI NOS COMENTÁRIOS!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *