Rocha: Fuerte de San Miguel

fuerte de san miguel
O Fuerte San Miguel fica no Uruguai, quase na fronteira com o Brasil

Quase na fronteira entre Uruguai e Brasil está o Fuerte de San Miguel. Ele fica na cidade de Dieciocho de Julio, dentro do Parque Nacional de San Miguel, a 10 quilômetros do Chuí. Nós não tínhamos carro, e só encontramos hospedagem pelo Couchsurfing em Barra del Chuy, então fomos até lá de carona. Primeiro, um casal nos levou de Barra até o centro de Chuí. De lá caminhamos pela Avenida Brasil até o começo da Ruta 19, onde um homem nos pegou e nos largou onde ele imaginava ser o monumento.

fuerte de san miguel
Primeira visão que tivemos do Fuerte San Miguel

Na verdade, ele nos deixou no Fortín de San Miguel, um hotel de pedra que parece muito antigo, mas é de 1945. Caminhamos um pouco mais de um quilômetro por dentro do parque para chegar até o nosso destino. Para deixar o lugar, optamos por outro caminho. Saímos quase em frente à aduana da Ruta 19, onde também há um acesso a San Miguel. De lá, conseguimos uma carona de volta ao Chuí e, depois, mais duas caronas e estávamos em casa.

O PARQUE E O FUERTE DE SAN MIGUEL
fuerte de san miguel
O interior do forte tem edificações usadas para diferentes propósitos

O Parque Nacional de San Miguel é uma das áreas protegidas mais antigas do país. São mais de 1,5 mil hectares no departamento de Rocha e que integram o Sistema Nacional de Áreas Protegidas (SNAP). A fortificação foi erguida em 1734 pelos espanhóis e tomada pelos portugueses três anos depois. Foram eles que deram a forma definitiva à estrutura, parecida com a que se vê hoje: formato quadrado, 300 metros de perímetro, quatro baluartes, ponte elevadiça e um fosso frontal. Antes não passava de uma muralha e casas de pau a pique e barro, posteriormente substituídas por pedra.

Em 1937, foi declarado Monumento Nacional. Hoje, dentro da construção, fica o museu de história militar, que exibe armamentos, uniformes, condecorações e objetos simulando ambientes do período colonial. Estão representadas a cozinha dos oficiais e das tropas, a capela, o polvorín (espécie de arsenal) e a capela. Apesar de ser um local criado para a guerra, a paz que se tem lá é incrível. Um espaço muito silencioso, que mistura natureza e história, além de ter poucos visitantes, o que aumenta a calmaria. A entrada para o forte custa 40 pesos (ou R$ 6) e ele fica aberto de quarta a domingo durante a baixa temporada.

Curta a página do Me Leva Embora Estrada Afora no Facebook
Siga o Me Leva Embora Estrada Afora no Instagram
Acompanhe o Me Leva Embora Estrada Afora no Twitter

2 comentários Adicione o seu

  1. Vitor Coelho diz:

    muito bom o post.
    É mesmo muito bonito o forte, bastante preservado. Estive lá em maio/17 e gostei muito da visita que fiz.

    1. melevaemboraestradaafora diz:

      Vitor, que bom que gostaste do post. Também estive em maio de 2017. Adorei o lugar.Bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *